O gás canalizado traz inúmeros benefícios para o usuário, mas também exige atenção quando o assunto é segurança dos moradores. Embora os equipamentos tenham uma longa vida útil, é necessário estar consciente que a vistoria nas canalizações por onde passa o gás precisa ser feita anualmente. Por se tratar de equipamentos de segurança, só podem ser manuseados por pessoas habilitadas, e não por moradores como foi o caso recente da explosão em um condomínio de Balneário Camboriú, que por inconsequência humana resultou em perdas materiais e pessoas feridas.  

Esse acidente trouxe à tona a importância da responsabilidade dos síndicos e gestores quando se trata das instalações de gás do condomínio. Também é essencial garantir a segurança de todos, através da contratação de empresas idôneas com técnicos qualificados para fazer a aferição e troca peças. O Corpo de Bombeiros faz vistoria nos prédios mas como são mais de 2 mil condomínios só em Balneário Camboriú, não possuem efetivo suficiente para inspecionar e ficar apontando todos os itens que devem ser trocados. Por isso eles solicitam que os síndicos contratem engenheiros das áreas de elétrica, gás, preventivo de incêndio e outras necessidades de inspeção da edificação.

Foto: Divulgação

Para entender melhor como funciona o sistema que fornece o gás GLP, existem dois tipos de medição do consumo:

– A distribuição social que não possui medição individual e o consumo que é rateado pelo número de apartamentos do condomínio;

– E a mediação individualizada.

Foto: Divulgação

Durabilidade dos medidores

Independente de ser coletivo ou individual, os medidores de gás são equipamentos que têm até 10 anos de validade. No entanto, é preciso estar atento que passada a validade, esse equipamento necessita de uma revisão detalhada, sendo que em algumas ocasiões é necessária a troca do mesmo. Mas mesmo que o equipamento esteja na validade, ele pode apresentar problemas e um dos mais comum é o vazamento do gás.

 Esses vazamentos podem gerar danos tanto no fornecimento, bem como aumentar a conta final do condomínio ou do morador em individual. Segundo Maycon Galiotto, da empresa Galiotto Gás Central, “as peças que já atingiram o prazo de validade como os reguladores de gás (5 anos) e medidores de gás (10 anos), não podem de maneira alguma ser recondicionadas ou aproveitadas em outros condomínios, como sabemos que acontece”. Ressaltou ainda que em alguns casos os próprios síndicos pedem para reaproveitar. “São peças baratas que fazem parte da manutenção do sistema de gás central e da segurança do sistema”, destacou ele. Sem contar que a segurança do condomínio estará vulnerável e a saúde do usuário que está inalando o gás ficará comprometida.

Gás Natural em Balneário Camboriú

Os condomínios novos que estão sendo construídos na barra sul em Balneário Camboriú, já estão sendo construídos com a canalização de gás natural e alguns mais antigos já passaram pela fase de conversão do gás liquefeito (GLP) para o gás natural. A dica é que os síndicos já comecem a fazer consultas com as empresas de engenharia sobre a viabilidade da troca do sistema de gás em seus condomínios. “O gás natural vai agregar qualidade de vida para a população que mora em condomínios, e a economia no preço proporcionará um retorno dos investimentos necessários para a troca dos leitores de consumo e reguladores”, finalizou Maycon.