Para a 1ª síndica profissional de Balneário Camboriú, Giovanna Menegatti que atua na área
desde 2005, o segredo para realizar as assembleias condominiais mais objetivas e produtivas
começa com a escolha de um bom Presidente. “Para promover um clima mais amistoso e a
integração dos condôminos e com isso ter maior adesão na assembleia, gosto de oferecer um
coquetel para a confraternização, e o resultado é positivo pois eles aprovam esta iniciativa e
ficam mais à vontade na companhia dos vizinhos. Sabem que a sua presença é fundamental
para o bom andamento da estrutura condominial nos próximos 12 meses”, destacou
Giovanna.


Antes da data da assembleia o síndico deve se preparar fazendo o levantamento do que foi
feito no ano anterior, preparando um relatório breve para não tomar muito tempo dos
condôminos. E o mesmo poderá conter fotos do antes e depois, além de informações
importantes sobre todas as manutenções e aquisições que o síndico fez durante o ano que
findou. Com isso o resultado será positivo.


Os condôminos já vão para a assembleia com essa expectativa de saber os resultados do seu
investimento nas taxas condominiais. A harmonia entre os conselheiros também é de suma
importância porque eles conviveram com o síndico naquela gestão, e nos dias que antecedem
a assembleia, podem rever as pastas para relembrar do que foi feito nos últimos 12 meses.
Para o Conselho Fiscal essa conferência antecipada das contas, verificando e aprovando antes
da data da assembleia, contribuirá para a harmonia dos trabalhos.


Os editais de convocação geralmente contam com uma sequência cronológica e começam com
a prestação de contas, passando pela eleição do síndico, sub-síndico, conselho fiscal e
consultivo, previsão orçamentária e programação para o ano seguinte. O próprio escritório
contábil ou administradora já apresenta essa previsão orçamentária, com base num estudo
detalhado, e com a previsão dos gastos para o ano seguinte. Com esta programação
apresentada aos condôminos, é possível eles optarem pelo pagamento por despesas
ordinárias ou valor fixo mensal.


Para evitar assembleias gerais ordinárias demoradas, cansativas e sem prioridades em pauta,
onde muitas vezes as pessoas não estão preparadas para discutir aquele determinado assunto,
“faço a pauta com itens específicos para serem discutidos naquele momento, para
posteriormente levantar orçamentos com base no que é prioridade para eles. Daí sim é feita
uma assembleia extraordinária para discutir as prioridades e ganhando tempo, pois temos
proprietários que nem moram nos condomínios”, destacou ela.


Depois de fazer a programação para o ano que se sucede, é feito os orçamentos, apresentando
em uma assembleia extraordinária com os itens específicos e com os investimentos e
benfeitorias sugeridas para aquele ano. “Outra experiência positiva que adotei foi apresentar
as minhas sugestões nas assembleias, mas dando autonomia para que os próprios condôminos
tomem a decisão, com base nas suas necessidades vivenciadas no dia a dia morando nos
condomínios. Tanto o síndico morador como o síndico profissional precisam ter esse contato
diário com os moradores, agilizando assim a sua gestão” finalizou a síndica.

Giovanna Menegatti

Síndica Profissional

Confira também: FUNDO DE RESERVA – É realmente ‘imexível’?

Veja mais: Síndico, você está preparado?

Clique aqui e assista as Entrevistas: Condomeeting TV